O que é Calor Radiante e quais são os EPIs para este tipo de Calor?

Quem trabalha com Altas Temperaturas precisa estar ciente dos efeitos do calor radiante e das formas seguras para evitar a sobrecarga térmica, que pode acabar submetendo o colaborador a uma condição de trabalho insalubre, como descrita na NR 15.

Como já explicamos num outro post, o conceito de sobrecarga térmica é muito técnico e objetivo ao contrário do conforto térmico que varia de pessoa para pessoa. O organismo também libera calor, proveniente da atividade metabólica ao realizar uma atividade física e esse calor metabólico é utilizado no cálculo que define os Limites de Tolerância ao calor.

Quando exposto a Altas Temperaturas, o trabalhador tem seu rendimento físico e mental minimizado, o que acaba induzindo a erros de raciocínio e percepção, desencadeando acidentes. Por isso, é importante manter o equilíbrio térmico no local de trabalho.

Mas, afinal, o que é o Calor Radiante?

Para se chegar a um equilíbrio térmico, os corpos de maior temperatura, normalmente, transmitem o calor para os de menor temperatura, equivalendo-se. Deste modo, a transferência de calor pode ocorrer por três diferentes formas:

  • condução – quando o calor é transferido por meio de contato;
  • convecção – é a transferência através de um meio fluído como o ar;
  • radiação – quando, por meio da radiação infravermelha, ocorre a transferência de calor.

Quando falamos em Calor Radiante, estamos nos referindo a essa transferência de calor por radiação, a qual, inclusive, pode se propagar até no vácuo. O Sol aquece o planeta Terra através dessa forma de transferência de calor, ou seja, por meio de ondas térmicas e sem o contato direto entre os corpos.

Absorção e reflexão

A quantidade de calor emitido varia de acordo com a temperatura do corpo aquecido, sendo diretamente proporcionais. Assim, fontes de Altas Temperaturas emitem grandes quantidades de calor radiante, mas nem todo esse calor é absorvido, já que parte da radiação térmica é refletida pelo corpo.

Corpos escuros, no entanto, absorvem mais calor radiante do que os corpos claros que refletem a radiação térmica quase totalmente.

Por que se proteger desse tipo de calor?

A exposição ao Calor Radiante traz uma série de consequências ao organismo do funcionário. Veja as principais:

Vasodilatação periférica

Em casos de sobrecarga térmica, essa é a primeira consequência processada pelo organismo. Nela, há um aumento no fluxo de sangue no corpo que, por sua vez, transporta o calor até a superfície, aumentando a temperatura da pele.

Sudorese

O desequilíbrio térmico provoca o aumento da atividade das glândulas sudoríparas que atuam para tentar diminuir a temperatura corpórea. Em algumas ocasiões, a quantidade de suor pode chegar a 2 litros por hora, causando desidratação.

Aumento do calor interno

A sobrecarga térmica ainda eleva os níveis de adrenalina e noradrenalina, aumentando o metabolismo e a temperatura interna, ocasionando um atrito entre as moléculas.

Além do mais, a exposição prolongada ao calor pode provocar o aumento da fraqueza e da irritabilidade, além de causar depressão, ansiedade e incapacidade de se concentrar.

EPIs para o Calor Radiante

Para proteger o trabalhador dos efeitos do Calor Radiante, é preciso investir em EPIs específicos para atividades em Altas Temperaturas. Dentre os itens que compõem o chamado Conjunto Aluminizado, podemos citar:

  • capuz aluminizado – indicado para a proteção da face, pescoço, cabelos e visão. Resguarda contra respingos e queimaduras provenientes do calor radiante, e do ofuscamento de fontes incandescentes. O uso de viseiras é fundamental para evitar o surgimento de cataratas;
  • luvas e capas aluminizadas – servem para proteção dos membros superiores, tronco e mãos;
  • avental aluminizado – permite maior flexibilidade dos movimentos e é ideal para proteção contra o calor radiante frontal;
  • calça aluminizada – indicada para proteção dos membros inferiores contra os agentes térmicos, respingos ou contato com metal fundido.

É importante ressaltar que os EPIs precisam ser confeccionados em tecidos leves, resistentes, antichamas e reflexivo. Além do mais, as vestimentas utilizadas para proteção contra o Calor Radiante acabam cumprindo requisitos que protegem contra outros agentes térmicos como respingos, chamas e o calor condutivo e convectivo, assunto de outro post. 😉

Gostou do conteúdo? Tem sugestões ou informações para contribuir? Compartilhe conosco, afinal, esse espaço é todo seu!

Abraço,

Pedro Bezerra
SUPREMA | EPIs para Alta Temperatura